Sociedade Unipessoal x EIRELI

Você já se questionou qual a diferença entre Sociedade Unipessoal e EIRELI?


Está se questionando qual é o melhor tipo jurídico para se enquadrar?



Se você está com essa dúvida, precisa entender as minúcias a respeito de cada modelo, com o objetivo de fazer uma escolha consciente e que te ofereça bons resultados.



Sociedade Unipessoal: O que é?


A Sociedade Unipessoal é uma sociedade limitada com um único sócio. Ou seja, um modelo que resolve as limitações impostas ao MEI, Empresário Individual e Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI).


A Sociedade Unipessoal não apresenta limite de faturamento, permite a contratação de mais funcionários e viabiliza a formalização de inúmeras atividades empresariais que não são possíveis ao MEI.


Quando comparado ao modelo Empresário Individual, apresenta como vantagem o fato de que o patrimônio pessoal do empresário é preservado caso a empresa apresente dívidas.


Esse tipo de sociedade não exige a integralização de capital social mínimo e também não limita a abertura de uma única empresa, como ocorre no modelo EIRELI.


Profissionais autônomos como médicos, dentistas, advogados e até mesmo contadores que não se enquadravam como EIRELI por causa do capital mínimo, podem se formalizar no modelo unipessoal.



O que é EIRELI?


EIRELI significa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, ou seja, um negócio formado por um único sócio que é o dono do negócio. Existem algumas regras para que se abra uma empresa nesse formato, são elas:


· O empreendedor que constitui a EIRELI deve ser titular de todo o capital social;


· O capital social deve ser maior que 100 vezes o salário-mínimo vigente no país, para que sirva como garantia para empregados e fornecedores em caso de falência;


· O nome empresarial deve incluir a expressão EIRELI ao final da denominação dada a empresa;


· Quem constitui a EIRELI só pode ter uma empresa dessa modalidade, podendo adotar outros formatos empresariais ou ser sócio de outro tipo de negócio.


Nesse modelo, o empreendedor pode contratar quantos funcionários vier a precisar. Bem como, pode atuar em diversos ramos profissionais, até mesmo sendo jornalista ou psicólogo.


Além disso, nesse modelo o empresário pode optar pelo Simples Nacional, visando simplificar o recolhimento de impostos.



Qual é o melhor modelo para o meu negócio?


Certamente, a esta altura você está se questionando qual é o melhor modelo para legalizar seu negócio. Mas saiba que, a resposta sempre será que depende de uma série de fatores.


Toda opção de tipo jurídico apresenta benefícios e desvantagens. Por isso, é interessante identificar qual é o objetivo de seu negócio, qual seu plano de negócios em curto e longo prazo, quais são seus objetivos ao longo do próximo ano e conversar com um especialista.


Diante de todo o cenário de faturamento, investimentos futuros e meta de faturamento anual, é possível traçar um modelo que combine melhor com o seu negócio e seu capital.


É preciso sempre analisar quais são os benefícios que o modelo trará para o seu negócio. Bem como, quais são as restrições que esse modelo poderá desencadear.


De forma que, sua empresa não tenha o crescimento limitado por causa de um modelo engessado.


Bem como, seja possível contratar todos os funcionários necessários para aplicar seu plano de negócios.


Outro aspecto importante no enquadramento correto da empresa, é identificar qual é o modelo tributário que mais é compatível com o negócio, para evitar pagar impostos acima do mínimo aceitável em um planejamento tributário eficiente.


Enquadrando a empresa no tipo jurídico e modelo tributário adequado, é possível pagar somente aqueles impostos essenciais e manter o negócio dentro da legalidade.



Converse com um especialista e esclareça suas dúvidas


O correto enquadramento do tipo jurídico de seu negócio é um aspecto que facilita o cotidiano de pagamento de tributos e manutenção do negócio em conformidade com a Lei.


Por isso, evita o pagamento de multas, sanções e eventuais problemas fiscais que podem custar caro.


O que faz com que, seja extremamente necessário conversar com um contador, que possa orientar o processo de legalização tributária de seu negócio.


Tendo um contador analisando os dados de seu negócio e fazendo o correto enquadramento do tipo jurídico e tributário, é possível economizar, pagando os somente os tributos que são necessários.


Bem como, desburocratizar o processo de manter seu negócio em ordem. Portanto, esse é o tipo de contratação necessária, para que suas dúvidas sejam esclarecidas e você possa junto com o profissional adequar seu negócio.


Em muitos casos, a busca pelos benefícios de um modelo tributário faz com que um empresário se equivoque no enquadramento tributário.


Ocasionando pagamentos mensais mais elevados que os necessários e consequentemente, a perda de competitividade de seu negócio.


A Audite busca esta simplificação, mostrando para o empresário que é completamente possível ter uma carga tributária justa e dentro da Lei.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags